» Tito Rosemberg tem um blog

Pelo orkut descobri que o Tito Rosemberg agora (desde julho/2009) tem um blog. Nas próprias palavras dele, é um “novo blog para quem não tem o que fazer, nem sabe o que fazer, mesmo se quizesse fazer alguma coisa”…

Lembrei que uma vez o Maurio Borges postou umas palavras legais sobre o Tito e também um ótimo texto dele.

O tal texto é tão bom que – parafraseando o Julio Adler em ocasião distinta – “é uma pérola que merece uma republicação de tantos em tantos”. Portanto, aí abaixo está ele.

Por: Gustavo Otto

m_h_titosurf1966b

Tito Rosemberg surfando em 1966

——————————————-
SURFANDO PARA SEMPRE
por Tito Rosemberg

Quanto mais encontro surfistas de longa data, mais percebo o que todos tem de similar: o amor pelas ondas não os impede de ter outros interesses na vida.

Um dos mais antigos surfistas e shapers americanos, Bob Cooper, que vive na Austrália desde 1969, e com quem tive o prazer de viajar pela Europa em busca de ondas, disse que surfar para ele era uma situação menor, e que outros interesses o mantinham atento e atualizado. Outro mito da história do surf, o californiano Mickey Dora, que hoje vive em Guethary, na França, também já disse a este respeito que “quando tem onda eu sou surfista, quando não tem onda eu faço outras coisas”.

Não há nada mais importante na vida de uma pessoa do que diversificar seus interesses. E não há nada mais triste do que um surfista brocha porque as ondas não estão acontecendo.

Se o amor pelo surf torna-se a única razão para viver, corremos o risco de não deixarmos abertas as “portas da percepção”, e com elas fechadas paramos de aprender. E se não aprendemos mais nada, estagnamos, nosso espírito morre, mesmo se nossos corpos continuam aí, dirigindo carros ou empresas, como se estivéssemos vivos.

Acho que as pessoas verdadeiramente educadas nunca se formam, pois estão em constante estado de aperfeiçoamento e nunca receberão um “diploma”. Pegar onda muito bem, e todos os dias, pode ser apenas uma fase da vida.

Os verdadeiros “soul surfers”, ou surfistas de alma, não param nunca. Podem até pegar onda apenas algumas vezes por ano, mas nunca entregam os pontos, nunca “encaretam”. E nesta longa trajetória que venho percorrendo, com 36 anos de surf nas costas, venho percebendo com tristeza que muitos surfistas excepcionais, verdadeiros talentos, desaparecem das ondas depois de uma época.

Quando comecei a surfar, poucos brasileiros continuavam praticando esportes depois de entrar na universidade ou casar. Anos depois, morando na Califórnia, notei pela primeira vez que pessoas com 40, 50 e até 60 anos de idade, continuavam pegando onda, mesmo sendo obrigados a usar roupa de borracha, o que torna tudo mais cansativo. No Brasil de então deveria haver uma meia dúzia de gatos pingados que continuavam surfando depois dos 40.

Como até hoje pouco mudou nas praias brasileiras, acho que para nós tudo era competição, e que para a imensa maioria dos meus companheiros de areia e onda, quando não tínhamos mais chances de sermos campeões mundiais, ou pelo menos ser o melhor de nosso “point”, partíamos em busca de outros esportes como asa delta ou vela, gatas, casamento, família e bons empregos. E que tudo isso envolvia abandonar a praia, as ondas, os velhos amigos do pôr do sol, e recomeçar tudo de novo, pois agora “já havíamos crescidos”. Que bobeira!

Porque a universidade nos impede de surfar? Porque o casamento tem que ser o fim da praia com os amigos? Porque o emprego fixo significa não mais continuar na busca da onda perfeita? Porque não pegar onda casado, com filhos e interessado em outras atividades e trabalhando sério?

Depois de muitos anos de praia, temo que para muitos de nós dentro do mar, pegar onda seja apenas um ritual de passagem, uma atividade que se faz durante uma época restrita, entre a adolescência e o mundo adulto. Que desperdício e que tôca!

Em outros países pega-se onda mesmo com 80 anos de idade. Na ilha de Jersey, na Inglaterra, fui juiz de um campeonato de surf onde havia uma categoria só para aqueles que haviam começado a surfar depois dos cinqüenta anos de idade, e como os coroas curtiam! Na praia os garotinhos encorajavam os velhos competidores gritando: “Dá-lhe vovô! Vamos lá vovô! E eram todos netos de verdade dos surfistas que faziam suas manobras na água congelante do Canal da Mancha.

Na Califórnia, na Inglaterra, na França ou na Austrália, em qualquer dia de onda pequena ou grande, muitos, se não a maioria dos surfistas, são caras com mais de 40 anos de idade, com família, trabalho e responsabilidades mil.

Qual a diferença entre eles e nós brasileiros?

Acho que nós somos muito exibicionistas, e que só nos interessa pegar onda enquanto podemos impressionar nossos amigos ou as gatas na praia, ou enquanto temos chance de sermos campeão de alguma categoria. Uma vez que nossa competitividade esbarra com a realidade de que a maioria de nós nunca vai ganhar nem uma bateria, quanto mais um campeonato (eu por exemplo nunca ganhei nada, mesmo depois de mais de 3 décadas de ondas), perdemos o tesão, nos desinteressamos e partimos em busca de novos desafios. Bobeira!

O surf pode ser praticado até o último dia de nossas vidas. Aliás, o verdadeiro surfista deve continuar surfando, mesmo se a barriga atrapalha, ou se os braços já não são os mesmos, pois assim provamos ser verdade todo o tesão que dizíamos sentir quando pegávamos onda aos 15 anos de idade, e tentávamos fazer aquelas manobras então consideradas impossíveis.

Dentro d’água, temos que nos esquecer se estamos branquelos, não podemos levar em conta o fato de estarmos fora de forma, se nossa prancha não está na moda, ou se temos que ir para a praia com nossas mulheres e filhos.

Brasileiros adoram desafios, talvez até demais. Quem sabe nos faria um pouco de bem deixarmos de sermos tão exibicionistas e começarmos a surfar com a alma, mais do que com nossos músculos?

Hoje, quando encontro um jovem super empolgado, que só fala, pensa e faz surf, não consigo deixar de perguntar-me: até quando vai durar a paixão dele? Até o primeiro emprego? Até entrar na universidade? Até casar? Até os filhos nascerem?

Na vida não há nada mais gostoso do que a experiência. E quem permanece fiel aos ideais da juventude não corre o risco de estagnar, mas sim de evoluir. O espírito da descoberta é o verdadeiro remédio contra a caretice, a velhice azeda e o mau humor dos adultos.

Aldous Huxley, escritor e filósofo inglês que influenciou toda uma geração, já resumiu tudo numa só frase: “O segredo do gênio é levar o espírito da criança até a velhice, o que significa nunca perder seu entusiasmo”.

Amém!

________________________________________________Surf4ever

Anúncios

10 Responses to “» Tito Rosemberg tem um blog”


  1. 1 tora set 14 2009 às 8:09 am

    Fala Gustavo! Que beleza acordar na segunda e ler este texto. Este mestre “Tito” é sensacional. Keep Surfing.
    Ah, A lembrança do “Dino Andino” foi demais.
    Fica na paz.

  2. 2 GD set 14 2009 às 8:40 am

    Boa dica!!! Sempre gostei dos textos do tito….quanto ao amor pelo surf, realmente todos os meu amigos que surfavam comigo quando eu tinha 13 anos abandonaram o surf faz muito tempo…..eu continuo lutando, remando com dificuldade, entrando de borda, arrumando tempo nos finais de semana….mas quando pego boas ondas parece que volto 20 anos de tempo…..viro um adolescente fissurado de novo…..valeu GD

  3. 3 Maurio Borges set 14 2009 às 4:18 pm

    Esse texto é sempre inspirador.
    Nosso Figueirinha segue respirando. Ufa!
    Aquele abraço
    MB

  4. 4 Neko set 15 2009 às 7:53 am

    Alou Gustavo! Legal o texto do Tito, me vi nesse texto algumas vezes. O que o surf representa para cada um pode ser parecido mas não é igual. Na minha opinião o importante para surfistas de longa data é manter o surf em dia, mesmo que seja demorado o tempo entre uma caída e outra. Surf é saúde, física e mental. Se na adolescência era apenas brincadeira, depois de muito anos de surf continua sendo apenas brincadeira, DIVERSÃO! Abraço, Neko.

  5. 6 Laertes set 15 2009 às 7:15 pm

    Pô o cara é fera hein…
    Abs e boas ondas.

  6. 7 Hugo set 16 2009 às 3:57 pm

    Demais esse texto Guto…

    com certeza sempre muito inspirador… isso que sou jovem ein, mas me emocionei ao ler ele.

    Abraço!

  7. 8 Guno Mendes set 16 2009 às 6:31 pm

    Muito bem colocado Gustavo. Esse texto do Tito é muito “soul”. E obrigado pelo link do blog dele, sou fã do Tito. Seu blog é muito bacana.
    Abraço

  8. 9 PEDRO set 16 2009 às 9:59 pm

    TITO É O CARA!!! VALEU!

  9. 10 zé henrique set 18 2009 às 10:24 am

    “Se o amor pelo surf torna-se a única razão para viver, corremos o risco de não deixarmos abertas as “portas da percepção”, e com elas fechadas paramos de aprender. E se não aprendemos mais nada, estagnamos, nosso espírito morre, mesmo se nossos corpos continuam aí, dirigindo carros ou empresas, como se estivéssemos vivos.”

    Isso é forte, tô de cara com essas palavras, com o texto todo, muito bom!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




“Eu vou pegar uma onda todos os dias, mesmo que seja na minha mente.”

“I will catch a wave every day, even in my mind.” Shaun Tomson

Uso recomendado:

Pra lavar a alma!

contato@surf4ever.com.br

Fica a vontade em mandar e-mail, ou comentar em qualquer post do blog, mesmo que seja antigo!

Blog com:

  • 415,840 hits

No blog agora:

hit counter

Arquivos:

Parceria Sul-Americana:

Melhor em 1024 X 768 pixels

******************************